O WSSD-U (SIMPÓSIO MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NAS UNIVERSIDADES): UMA CONTRIBUIÇÃO NA GOVERNANÇA GLOBAL

  • Meilyng Leone Universidade Católica de Santos CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)
  • Gilberto Passos de Freitas Tribunal de Justiça de São Paulo Universidade Católica de Santos
Palavras-chave: Educação para o Desenvolvimento Sustentável, Governança Global, Ensino Superior, Direito Internacional, Direito Ambiental

Resumo

Busca-se demonstrar no presente estudo as nuances da governança global presentes nos encontros do “Simpósio Mundial Sobre o Desenvolvimento Sustentável nas Universidades“ , evento que teve sua origem paralela e concomitantemente com a Rio+20 (Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável), que exemplifica e materializa os mecanismos de governança global e o surgimento da multiplicidade de atores nesse cenário. Subsequentemente, esses encontros tornaram a ocorrer, nos anos de 2014, 2016 e, em breve, com nova edição em 2018. Para o presente artigo, a metodologia utilizada na pesquisa foi um estudo descritivo e exploratório, com análise dos dados através de uma abordagem qualitativa-quantitativa dos documentos oficiais resultantes de tais simpósios optando-se por adotar sequência cronológica, e realizando-se um cotejo entre todas as edições, com a finalidade de se verificar se houve avanços significativos, capazes de influenciar efetivamente a implementação do Desenvolvimento Sustentável nas Universidades e de fomentar o debate e encontrar arranjos possíveis e eficazes para a implementação da Educação para o Desenvolvimento Sustentável nas Instituições de Ensino Superior, concluindo-se que os Simpósios serviram para fomentar as discussões acerca da temática, unificando os atores não estatais em forma de redes, fortalecendo a atuação dos mesmos.

Biografia do Autor

Meilyng Leone, Universidade Católica de Santos CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)
Doutoranda e Mestre em Direito pela Universidade Católica de Santos. Advogada. Pedagoga, especialista em Direito Empresarial pela FGV e em Gestão Escolar pela Universidade Metropolitana de Santos. Possui graduação em Direito, 2005, com segunda graduação em Pedagogia, 2009. Presidente da Comissão do Meio Ambiente da OAB/SP, 44ª Subseção. Tem experiência na área de Direito e Educação. Linha de pesquisa em Mediação de conflitos e Educação para a Sustentabilidade.
Gilberto Passos de Freitas, Tribunal de Justiça de São Paulo Universidade Católica de Santos

Desembargador aposentado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. Possui graduação em Direito pela Universidade Católica de Santos (1963), mestrado (2000) e doutorado (2003), ambos em Direito, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. É desembargador aposentado do Tribunal de Justica do Estado de Sao Paulo. Membro do Cons.Sup.de Meio Amb.e Sustentabilid. da Associação dos Registradores Imobiliários de S. P. Foi Corregedor Geral da Justiça do TJSP (2006/2007). Membro do Conselho Científico da Revista de Direito Ambiental (RT). Professor Titular da Universidade Santa Cecilia. Professor convidado da Escola Superior do Ministério Público. É palestr.curso aperf./merec.-juízes vitalícios da Escola Paulista da Magistratura. Foi coordenador da área de direito ambiental da Escola Paulista da Magistratura. Membro do Conselho Editorial - Revista Brasileira de Direito Ambiental. Foi professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Foi diretor do departamento de projetos da Associação Nacional de Desembargadores. Professor titular da pós-graduação (mestrado e doutorado) e graduação da Universidade Católica de Santos. Membro do CONJUR(Conselho Superior de Assuntos Jurídicos e Legislativos); do COSEMA(Conselho de Meio Ambiente), ambos da Federação das Indústrias do Estado de S.P. Membro do Conselho de Mediação e Arbitragem da FIESP. Membro do GAJ(Grupo de Apoio ao Judiciário - Tribunal de Justiça do Estado de S.Paulo). Foi Coordenador do Grupo de Mediação e Resolução de Conflitos Socioambientais e Urbanísticos da Escola Paulista da Magistratura (2012/2013). Membro Consultor da Comissão Nacional do Direito Ambiental, do Conselho Federal da OAB. Membro do Conselho Editorial da Revista de Direitos Humanos da Associação dos Magistrados Brasileiros. Membro Consultor da "Comissão Especial de Direitos à Educação e Informação, ano de 2015". Nomeado "Supervisor do Grupo de Mediação e Resolução de Conflitos Socioambientais e Urbanísticos", no CEJUSC Central, do TJSP. Tomou posse, como MEMBRO EFETIVO, da COMISSÃO ESPECIAL DE INFRAESTRUTURA, LOGÍSTICA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, da OAB/SP, aos 21 de fevereiro de 2017. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Penal, Processo Penal, Direito Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: crimes ambientais, meio ambiente, mediação e conciliação.

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo. Desenvolvimento sustentável: qual a estratégia para o Brasil?.Novos estud. - CEBRAP, São Paulo , n. 87,July 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010133002010000200006&lng=en &nrm=iso>. Acesso em 3 de jun de 2017.

BARBIERI, José Carlos; SILVA, Dirceu. Desenvolvimento sustentável e educação ambiental: uma trajetória comum com muitos desafios. In: Rev. Adm. Mackenzie (RAM), v. 12, n. 3, maio/jun. 2011.

BARROS-PLATIAU, Ana Flavia. Novos Atores, Governança Global e Direito Ambiental Internacional. In: CUREAU, Sandra. (Org.). Meio Ambiente. 1 ed. Belo Horizonte: Lastro, 2004, v. 1. Disponível em: ww3.esmpu.gov.br/serie-grandeseventos-meio-ambiente/AnaFlaviaBarrosPlatiau_Novos_atores.pdf>. Acesso em em 3 de jun. 2017.

CAMARGO, Sonia de. Governança Global: utopia, desafio ou armadilha? In: NEVES, Carlos Augusto dos Santos. Governança Global – A reorganização da política em todos os níveis de ação. São Paulo: Konrad-Adenauer-Stiftung. 1999

COMISSÃO SOBRE GOVERNANÇA GLOBAL. Nossa Comunidade Global. O Relatório da Comissão sobre Governança Global. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1996.

ESPADAS, Cejas Juan. Avances em La mejora de La sostenibilidad ambiental urbana em El marco Del nuevo estatuto de autonomia para Andalucía. In: Bravo, Álvaro Sanchez. Ed. Ciudades, Medioambiente e Sostenibilidad. Sevilla: ArCibel, 2007.

GONÇALVES, Alcindo. A LEGITIMIDADE NA GOVERNANÇA GLOBAL. Trabalho apresentado no XV Congresso do Conpedi – Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito – Manaus, 2006. Disponível em: http://www.unisantos.br/upload/menu3niveis_1258398685850_alcindo_goncalves_a_legitimidade_da_governanca_global.pdf. Acesso em 3 de jun de 2017.

HESI. Rio+20: Statement by the Higher Education Sustainability Initiative. Junho, 2012. Disponível em: https://www.unglobalcompact.org/news/248-06-20-2012. Acesso em 23.02.2016

HILL, Stuart B.; WILSON, S. and WATSON, K. Learning Ecology: a new approach to learning and transforming ecological consciousness; experiences from social ecology in Australia, In: O?Sullivan. E; Taylor, M. (Eds). Transforming Practices: learning towards ecological consciousness. New York: Palgrave Press, 2003.

KEOHANE, Robert O. Global Governance and Democratic Accountability. In: HELD, David; KOENIG-ARCHIBUGI, Mathias. Taming Globalization: frontiers of governance. Polity: Cambridge, 2003.

NOORTMANN, Math. Non- State Actors in International Law. In: ARTS, Bas; NOORTMANN, Math; REINALDA, Bob (eds). Non- State Actors in International Relations. Burlington: Ashgate, 2001.

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estud. av., São Paulo, v.26, n.74, p.65-92, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 3 de jun de 2017.

SARAVIA, Enrique. Redes, organização em redes e organizações virtuais: As novas configurações organizacionais. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão. Rio de Janeiro, FGV, 2002.

SENARCLENS, P. Mondialisation, souveraineté et théorie des relationsinternationales. Paris: Armand Collin, 1998.

STRECK, Charlotte. Global Public Policy Networks as Coalitions for Change. In: ESTY, Daniel; IVANOVA, Maria (Org.). Global Environmental Governance: options and opportunities. Yale School of Forestry & Environmental Studies. 2002, 256p.

ROSENAU, James N. Governance in the twenty-first century. Global Governance: a Review of Multilateralism and International Organizations, v. 1, n. 1, p. 13- 44, 1995.

WSSD-U. Following-up the UN Conference on Sustainable Development (Rio+20). Disponível em: https://www.haw-hamburg.de/fileadmin/user_upload/FakLS/07Forschung/FTZALS/Veranstaltungen/WSSDU-2018.FLYER.pdf. Acesso em: 3 de jun. de 2017.

WWF. Organização Internacional Para Conservação Da Natureza; Programa Das Nações Unidas Para o Meio Ambiente.World Wildlife Fund.Caring for the Earth: a strategy for sustainable living.s.I.: IUCN, UNEP, WWF, 1991.

Publicado
2019-06-28
Como Citar
LeoneM.; de FreitasG. P. O WSSD-U (SIMPÓSIO MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NAS UNIVERSIDADES): UMA CONTRIBUIÇÃO NA GOVERNANÇA GLOBAL. REVISTA DA AGU, v. 18, n. 2, 28 jun. 2019.
Seção
Artigos