A CONSTITUCIONALIZAÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: ANÁLISE DA EC Nº 85/2015 A PARTIR DO CONTEXTO INOVADOR NACIONAL

  • Rodrigo Meireles Ortiz Advocacia-Geral da União. Universidade Federal do Rio Grande
Palavras-chave: Emenda Constitucional nº 85/2015, Inovação, Tecnologia, Ciência, Pesquisa, Desenvolvimento

Resumo

O trabalho pretende analisar as modificações promovidas pela Emenda Constitucional nº 85/2015, a partir do contexto inovador nacional. Nesse intuito, aborda-se as recentes políticas nacionais de inovação e seus resultados, através da consulta a sites de órgãos oficiais e de fomento. Os dados coletados indicam que, embora sejam envidados esforços para o desenvolvimento de inovações tecnológicas no país, há o incremento de um potencial inovador que não se traduz em resultados inovadores. Como instrumento de aclimatação deste cenário, a Emenda Constitucional nº 85/2015 inclui a inovação entre os temas da ordem constitucional social, trazendo novos elementos para a criação de ambientes inovadores. Por meio da pesquisa bibliográfica e da consulta às justificativas apresentadas pelo constituinte reformador ao texto, destacam-se as principais modificações da Emenda em cinco núcleos, quais sejam, modificações de competências, flexibilidade orçamentária, atribuições do SUS, apoio financeiro do poder público à política de inovação e capítulo IV da Ordem Social Constitucional. A redação do texto constitucional, além de dar segurança jurídica à relação entre agentes públicos e privados, fortalece o papel do Estado na busca pela inovação, cabendo aos atores envolvidos implementar força normativa ao instrumento e promover o desenvolvimento e a soberania nacional.

Biografia do Autor

Rodrigo Meireles Ortiz, Advocacia-Geral da União. Universidade Federal do Rio Grande
Procurador Federal. Mestrando em Direito e Justiça Social pela Universidade Federal do Rio Grande

Referências

ABRÃO, Paulo de Tarso Siqueira. Da ciência, Tecnologia e Inovação. In: Org. MACHADO, Costa. Constituição Federal Interpretada. 9ª edição. Barueri: Manole, 2018. p. 1114-1123.

BARBOSA, Denis Borges. Direito ao desenvolvimento, inovação e a apropriação das tecnologias após a Emenda Constitucional nº 85 (2015). Disponível em:<http://www.denisbarbosa.addr.com/arquivos/200/inovacao/direito_ao_desenvolvimento_2015.pdf>. Acesso em: 21/08/2017.

BARROSO, Luis Roberto. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do Direito (O triunfo tardio do direito constitucional no Brasil). Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 240, p. 1-42. 2005.

BRASIL. Câmara dos Deputados. 2019. Disponível em: <http://www.camara.

gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=586251>. Acesso em 04/01/2019.

BRASIL. Diário da Câmara dos Deputados. Proposta de Emenda à Constituição nº 290, de 2013. Ano LXVIII, nº 133, 08/09/2013, p. 32963-32967. Brasília-DF. 2013a.

BRASIL. Diário da Câmara dos Deputados. Proposta de Emenda à Constituição nº 290-A, de 2013. Ano LXVIII, nº 216, 05/12/2013, p. 57864-57873. Brasília-DF. 2013b.

BRASIL. Senado Federal. 2018. Disponível em: <https://www25.senado.leg.br

/web/atividade/materias/-/materia/117126>. Acesso em 07/08/2018.

CIA. Central Intelligence Agency. The World Factbook. 2017. Disponível em: <https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/rankorder/2119ra

nk.html>. Acesso em 15/05/2018.

CNPq. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Séries Históricas. 2018. Disponível em: <http://lattes.cnpq.br/web/dgp/sobre>. Acesso em 10/05/2018.

CROSS, Di; THOMSON, Simon; SIBCLAIR, Alexandra. Research in Brazil: A report for CAPES by Clarivate Analytics. Clarivate Analytics. 2018. Disponível em: <https://www.capes.gov.br/images/stories/download/diversos/17012018-CAPES-InCitesReport-Final.pdf>. Acesso em 25/05/2018. p. 73.

ETZKOWITS, Henry. Hélice Tríplice. Universidade-Indústria-Governo. Inovação em Movimento. Porto Alegre: Editora PUCRS, 2009. p. 207.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 9ª edição. Salvador: Juspodivum, 2017. p. 1719.

FMI. Fundo Monetário Internacional. World Economic Outlook. April 2018. Disponível em: <http://imf.org/external/datamapper/datasets/WEO>. Acesso em 15/05/2018.

GII. Índice Global de Inovação de 2017. A inovação nutrindo o mundo. 2017. Disponível em: <https://www.globalinnovationindex.org>. Acesso em 26/06/2018.

HESSE, Konrad. A Força Normativa da Constituição. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1991. p. 34.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. TURCHI, Lenita Maria; MORAIS, José Mauro de (Coord.). Políticas de apoio à inovação tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: IPEA, 2017. p. 485.

LASSALE, Ferdinand. A essência da Constituição. 5ª edição. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2000. p. 40.

LENZA. Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. 22º Edição. Versão eletrônica. São Paulo: Saraiva, 2018. p. 1947.

MARQUES, Claudia Lima. Da Ciência, Tecnologia e Inovação. In: Comentários à Constituição do Brasil – Série IDP. CANOTILHO, J. J Gomes; MENDES, Gilmar Ferreira; SARLET, Ingo Wolfgang; STRECK, Lenio Luiz (Coord.). 2ª edição. Versão eletrônica. São Paulo: Saraiva, 2018. p. 3640-3744.

MARRAFON, Marco. Emenda da Inovação é diretriz para novo paradigma de governança pública. Revista Consultor Jurídico. 18/01/2016. Disponível em: <https://www.conjur.com.br/2016-jan-18/constituicao-poder-emenda-inovacao-diretriz-paradigma-governanca>. Acesso em 19/10/2018.

MCT. Ministério da Ciência e Tecnologia. Livro branco: ciência, tecnologia e inovação. Brasília, 2002. p. 78.

MCT. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ciência, tecnologia e inovação: desafio para a sociedade brasileira. Livro verde. Brasília, 2001. p. 268.

MCTIC. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações. Indicadores Nacionais de Ciência, Tecnologia e Inovação 2017. Brasília, 2017. p. 164

MCTIC. Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2022. Brasília. 2016. p. 132.

MINGUELLI, Marcelo. A nova estrutura normativa de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação. V. 23, n. esp., p. 143-151. Florianópolis, 2018.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3ª Edição. Brasília: FINEP, 2006. p. 184.

OMPI. Organização Mundial de Propriedade Intelectual. Annexes to WIPO press release PR/2018/816. 2018. p. 8.

REZENDE, Edson Paiva et al. A Lei nº 10.973/04 e as instituições federais de ensino superior: algumas considerações. Fórum de Contratação e Gestão Pública, Belo Horizonte, v. 4, n. 44, ago., 2005. p. 8.

SALERNO, Mario Sergio. A política industrial, tecnológica e de comércio exterior do governo federal. Revista Parcerias Estratégicas. Vol. 9, nº 19, p. 13-35, 2004.

SANTOS, Gilberto Batista; SILVA, Edmario Nascimento da. A constitucionalização da ciência, tecnologia e inovação como instrumento de efetivação do direito a inovação. Revista de Direito, Inovação, Propriedade Intelectual e Concorrência. V. 4, nº 1, p. 120-139, Salvador, jan/jun. 2018.

TEDESCHI, Patricia Pereira. Inovação Tecnológica e Direito Administrativo. Dissertação de Mestrado em Direito. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. 2011. p. 107.

VIOTTI, Eduardo B. Brazil: From S&T to innovation policy? The evolution and the challenges facing Brazilian policies for science, technology and innovation. VI Globelics Conference. September 22-24, 2008. Mexico City. p. 1-30. Disponível em: <https://smartech.gatech.edu/handle/1853/36899. Acesso em 18/11/2018.

Publicado
2021-01-04
Como Citar
OrtizR. M. A CONSTITUCIONALIZAÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: ANÁLISE DA EC Nº 85/2015 A PARTIR DO CONTEXTO INOVADOR NACIONAL. REVISTA DA AGU, v. 20, n. 01, 4 jan. 2021.
Seção
Artigos