O PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO E A ATIVIDADE DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO (AGU)

  • Maurício da Cunha Savino Filó Universidade do Extremos Sul Catarinense (UNESC)
  • Ana Carolina Daros Neto Universidade do Extremos Sul Catarinense (UNESC)
Palavras-chave: Advocacia-Geral da União. Código de Processo Civil de 2015. Editos do Pretor romano. Paradigma. Princípio da cooperação.

Resumo

O presente artigo teve por objetivo realizar um paralelo entre os modelos processuais estruturantes existentes no Código de Processo Civil de 1973, adversarial e inquisitorial, e o modelo processual estruturante contemplado no Código de Processo Civil de 2015, o modelo de cooperação. O texto do artigo foi extraído de pesquisa científica finalizada. Buscou-se responder ao seguinte problema: a Advocacia-Geral da União pode cooperar para que se concretize a prestação efetiva da tutela jurisdicional de forma justa e célere? O método de abordagem foi o dedutivo, por meio de um método de procedimento monográfico e técnica de pesquisa bibliográfica documental. Após serem explicados os modelos processuais estruturantes, constatou-se que os membros da Advocacia-Geral da União adotam uma postura de forte resistência no processo, fomentadas pelo paradigma tradicional de processo. Entretanto, como aqueles se vinculam às orientações do Advogado-Geral da União, verificou-se que, por meios das Súmulas anuais da AGU, pode-se aplicar o princípio da cooperação, a fim de que a tutela jurisdicional ocorra de forma de forma mais justa e célere. Por fim, averiguou-se a possiblidade de contribuições do direito romano republicano.

Biografia do Autor

Maurício da Cunha Savino Filó, Universidade do Extremos Sul Catarinense (UNESC)

Doutor em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Direito pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Graduado e Especialista em Direito Processual pela PUC-Minas. Membro do Núcleo Docente Estruturante do Curso de Direito da UNESC. Advogado. http://lattes.cnpq.br/5488041020174684

Ana Carolina Daros Neto, Universidade do Extremos Sul Catarinense (UNESC)

Graduada pelo Curso de Direito da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Advogada

Referências

BARREIROS, Lorena Miranda Santos. Fundamentos constitucionais do modelo processual cooperativo no direito brasileiro, 2011. Disponível em: <https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/10725/1/Lorena.pdf>. Acesso em 14 abr. 2017.

BORGES, Sabrina Gressler. A instrução probatória no novo CPC e os modelos processuais. 2015. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/134581/000987265.pdf?sequence=1>. Acesso em: 04 set. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ConstituicaoCompilado.htm> Acesso em: 04 ago. 2017.

______. Lei nº 73 de 10 de fevereiro de 1993. Institui a Lei Orgânica da Advocacia-Geral da União e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp73.htm>. Acesso em: 24 ago. 2017.

______. Lei n. 8.906, de 4 de julho de 1994. Dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8906.htm>. Acesso em: 14 set. 2017.

______. Lei nº. 13.105, de 16 de março de 2015. Dispõe sobre o Código de Processo Civil. Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13105.htm>. Acesso em: 17 mar. 2017.

BRILHANTE, Igor Aragão. Antimanual do Advogado Público. Recife: Nossa Livraria, 2015.

CINTRA, Antônio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do processo. 31. ed. revisada e ampliada. São Paulo: Malheiros, 2015.

DEL GIUDICE, Federico. Il nuovo manuale di storia del diritto romano (diritto pubblico romano). 5. ed. Napoli: Grupo Editoriale Simone, 2016.

DIDIER JR., Fredie. Curso de direito processual civil: introdução ao direito processual civil, parte geral e processo de conhecimento. 18. ed. Salvador: Jus Podivm, 2016.

DINAMARCO, Cândido Rangel; LOPES, Bruno Vasconcelos Carrilho. Teoria Geral do Novo Processo Civil. São Paulo: Malheiros, 2016.

DONIZETTE, Elpídio. Princípio da cooperação (ou da colaboração) – arts. 5º e 10 do projeto do novo CPC, 2012. Disponível em: <https://elpidiodonizetti.jusbrasil.com.br/artigos/121940196/principio-da-cooperacao-ou-da-colaboracao-arts-5-e-10-do-projeto-do-novo-cpc>. Acesso em: 18 abr. 2017.

FIGUEIREDO FILHO, Eduardo Augusto Madruga de; MOUZALAS, Rinaldo. In: DIDIER JR., Fredie (coordenador). Novo CPC doutrina selecionada: Cooperação e vedação às decisões por emboscada (“ambush decision”), volume 1: parte geral. 2. ed. revisada e atualizada. Salvador: Juspodivm, 2016.

GUIMARÃES, Patrícia de Almeida Barbosa. A Advocacia Pública da União e a Independência Funcional dos seus membros: Possibilidades e Limites. 2011. Disponível em: <http://dspace.idp.edu.br:8080/xmlui/bitstream/handle/123456789/224/Monografia_Patr%EDcia%20de%20Almeida%20Barbosa%20Guimar%E3es.pdf?sequence=1>. Acesso em: 25 set. 2017.

GRANZOTTO, Cláudio. Advogado de Estado – defesa do interesse público –independência funcional mitigada. 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2017.

JAYME, Fernando Gonzaga; SALOMÉ, Joana Faria. Em busca de um processo civil efetivo. Disoinível em: <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=b132ecc1609bfcf3>. Acesso em: 12 maio 2017.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. 10. ed. revisada, atualizada e ampliada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

MACHADO, Rosiane Ferreira. O princípio da cooperação no novo Código de Processo Civil como meio para uma lide mais célere, justa e efetiva. 2016. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/52598/o-principio-da-cooperacao-no-novo-codigo-de-processo-civil-como-meio-para-uma-lide-mais-celere-justa-e-efetiva>. Acesso em: 18 abr. 2017.

MANDELLI, Alexandre Grandi; CHAVES, Christian Frau Obrador. O dever de colaboração (entre e das partes) no processo civil constitucional e a efetiva prestação da tutela jurisdicional executiva: o dever fundamental do executado de nomear bens passíveis de penhora. Revista da PGFN, 2012. Disponível em: <http://www.pgfn.fazenda.gov.br/revista-pgfn/ano-i-numero-iii-2012/I%207%20dever%20de%20colaboracao.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2017.

MARINONI, Luiz Guilherme. Novo Curso de Processo Civil. São Paulo: Livraria RT. 2015.

MARINONI, Luiz Guilherme. Aproximação crítica entre as jurisdições de civil law e de common law e a necessidade de respeito aos precedentes no Brasil. 2009. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/direito/article/viewFile/17031/11238>. Acesso em: 14 jul. 2017.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz; MITIDIERO, Daniel. Novo curso de processo civil: Teoria do processo civil, v. 1. 2. ed. revisada, atualizada e ampliada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

MATTOS, Rodrigo Gerent. Independência Funcional do Advogado Público Federal na Constituição da República Federativa do Brasil em uma advocacia de Estado atenta aos direitos dos cidadãos. 2016. Disponível em: <https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/22001>. Acesso em: 29 set. 2017.

MAZZEI, Rodrigo. In: DIDIER JR., Fredie (coordenador). Novo CPC doutrina selecionada: Breve história (‘ou estória’) do Direito Processual Civil brasileiro: das Ordenações até a derrocada do Código de Processo Civil de 1973. v. 1: parte geral. 2. ed. revisada e atualizada. Salvador: Juspodivm, 2016.

MERRYMAN, John Henry; PÉREZ-PERDOMO, Rogelio. A tradição da civil law: uma introdução aos sistemas jurídicos da Europa e da América Latina. Tradução: Cássio Casagrande. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 2009.

MOREIRA, José Carlos. Duelo e Processo. Revista da ABLJ, Rio de Janeiro, n. 23, 2003. Disponível em: <http://www.ablj.org.br/revistas/revista23/revista23%20%20JOS%C3%89%20CARLOS%20BARBOSA%20MOREIRA%20%E2%80%93%20Duelo%20e%20Processo.pdf>. Acesso em: 01 set. 2017.

PARICIO, Javier; BARREIRO, A. Fernander. História del derecho romano e su recepción europea. 10. ed. Madrid: Marcil Pons, 2014.

PEIXOTO, Ravi. Rumo à construção de um processo cooperativo. Revista de Processo, n. 219, São Paulo: RT, 2013.

PILATI, José Isaac. Nota do tradutor. In: JUSTINIANO, Imperador do Oriente. Tradução de José Isaac Pilati. Florianópolis: Ed. da UFSC; Funjab, 2013. Livro segundo: Jurisdição.

PILATI, José Isaac. Audiência pública na Justiça do Trabalho. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

PINHO, Humberto Dalla Bernardina de. Direito Processual Civil Contemporâneo. v. 1: teoria geral do processo – 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

RUFINO, Fernando Bianchi. O advogado público e a independência funcional. 2014. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/29887/o-advogado-publico-e-a-independencia-funcional>. Acesso em: 28 set. 2017.

SENADO FEDERAL. Anteprojeto do novo código de processo civil. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/senado/novocpc/pdf/anteprojeto.pdf>. Acesso em: 17 maio 2017.

SILVA, Celedonio Nin Y. Historia Politica de los Papas. Desde la Revolución Francesa a Nuestros Días. Montevieo: Editorial Independencia, 1943.

STRECK, Lenio Luiz et al. A cooperação processual do novo CPC é incompatível com a Constituição. Revista Consultor Jurídico, 2014.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Curso de Direito Processual Civil – Teoria Geral do Direito Processual Civil, Processo de Conhecimento e Procedimento Comum. v. 1. 57. ed. revisada, atualizada e ampliada, Rio de Janeiro: Forense, 2016.

VALENTE, Maria Jovita Wolney. Histórico e Evolução da Advocacia-Geral da União. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.

ZANETI JÚNIOR, Hermes. Processo Constitucional: o modelo constitucional do processo Civil brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2017.

Publicado
2019-12-11
Como Citar
Savino FilóM. da C.; NetoA. C. D. O PRINCÍPIO DA COOPERAÇÃO E A ATIVIDADE DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO (AGU). REVISTA DA AGU, v. 19, n. 01, 11 dez. 2019.
Seção
Artigos