PRISÕES BRASILEIRAS SOB A ÓTICA DOS ATOS NORMATIVOS INTERNACIONAIS: O DEPOSITÁRIO INFIEL E O INFRATOR DO ISOLAMENTO SOCIAL EM TEMPOS DE PANDEMIA

  • Rogério Piccino Braga Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP
  • Leonardo Bocchi Costa Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP
Palavras-chave: Cláusula de abertura dos direitos fundamentais. Controle de convencionalidade. Pandemia por coronavírus. Prisão civil de depositário infiel. Tratados internacionais de direitos humanos.

Resumo

O estudo tem como finalidade a análise das consequências da adoção da teoria do duplo estatuto dos direitos fundamentais pelo Supremo Tribunal Federal. Teoria esta que atribui aos tratados internacionais de direitos humanos - não ratificados pelo rito da PEC/45 - o status normativo supralegal e vislumbra inconstitucionalidade na prisão civil de depositário infiel. Portanto, o que se discutirá é a natureza jurídica da prisão civil, buscando diferenciá-la da prisão processual e da prisão penal, ante suas características e disposições diferenciadas. Além disso, abordar-se-ão as teorias do status normativo dos tratados internacionais de direitos humanos, com uma abordagem histórica e exemplificativa do acervo jurisprudencial do STF. Ao final, será traçado um caminho crítico em decorrência do surgimento de mais um nicho normativo – oriundo da aplicação da Teoria do duplo estatuto. Da mesma forma, pela adoção de uma linha hermenêutica equivocada no que diz respeito à antinomia entre uma norma supralegal e a Constituição Federal. Os métodos de pesquisa adotados no trabalho foram, prioritariamente o dialético e no desenvolvimento o método dedutivo.

Biografia do Autor

Rogério Piccino Braga, Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Advogado, pós-doutorando no Ius Gentium Conimbrigae da Universidade de Coimbra, Doutorando e Mestre em Direito Constitucional - área de concentração em Sistema Constitucional de Garantia de Direito pela Instituição Toledo de Ensino - ITE/Bauru. Professor Universitário na Universidade Norte do Paraná - Unopar (Bandeirantes/PR), Pós-graduado em Direito Municipal (especialização), Membro Efetivo da Comissão Especial de Ensino Jurídico da Seccional SP da Ordem dos Advogados do Brasil - Triênio 2016/2018. Presidente da Comissão de Assuntos Municipais da 20 Subseção da OAB - Jaú/SP - Triênio 2016/2018, foi Diretor Jurídico da Câmara Municipal de Jaú, autor do Livro "Direito Fundamental à Inimputabilidade Penal"; co-organizador do livro "Estudos da Teoria da Constituição", autor do livro "Relações de Sujeição Especial no Direito Municipal" e dos livros "Embates & Opiniões", "O que eu falo se escreve" e "Ideias Articuladas". Articulista e membro do Conselho Editorial do Jornal Comércio do Jahu.

Leonardo Bocchi Costa, Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Graduando em Direito pela Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP). Atualmente é bolsista do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, atuando como estagiário no gabinete da Vara da Família e Sucessões de Jacarezinho/PR. Tem experiência no desenvolvimento de pesquisa científica na área do Direito, com ênfase no Direito Público.

Referências

ALVES, Suelem Aparecida. Prisão civil do devedor de alimentos: natureza jurídica e eficácia no plano prático. Revista Percurso Acadêmico, v. 5, n. 9, p. 169-206, 2015.

ARAUJO, Luiz Alberto David; NUNES JÚNIOR, Vidal Serrano. Curso de Direito Constitucional. 20. ed. São Paulo: VERBATIM, 2016. 655 p.

AZEVEDO, Álvaro Villaça. Prisão civil por dívida. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000, 200 p.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal. 22. ed. São Paulo: Saraiva, 2016. 964 p.

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. 6 ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995, 184 p.

BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Teoria Geral dos Direitos Fundamentais. In: BRANCO, Paulo Gustavo Gonet; MENDES, Gilmar Ferreira. Curso de Direito Constitucional. 10. ed.São Paulo: Saraiva, 2015. 1470 p.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Assembleia Nacional Constituinte, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htmAcesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei n. 678, de 6 de novembro de 1992. Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica). Brasília, DF, 1992. Disponível em: tp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d0678.htm. Acesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Decreto n. 7.030, de 14 de dezembro de 2009. Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados. Brasília, DF, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7030.htm. Acesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.478, de 25 de julho de 1968. Lei de Alimentos. Brasília, DF, 1968. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5478.htm. Acesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm Acesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil. Brasília, DF, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm Acesso em: 15 fev. 2020.

CAHALI, Yussef Said. Dos alimentos. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. 1120 p.

CASTILHO, Ricardo. Direitos Humanos. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2018. 264 p.

DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro: Teoria Geral das Obrigações. 22. ed. São Paulo: Saraiva, 2007, 475 p.

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 9. ed. Salvador: JusPODIVM, 2017. 1728 p.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro: Contratos e Atos Unilaterais. 15. ed. São Paulo: Saraiva, 2018, 731 p.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998, 271 p.

MARINONI, Luiz Guilherme. Controle de Constitucionalidade. In: MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel; SARLET, Ingo Wolfgang. Curso de Direito Constitucional. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2016. 1440 p.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira. O Controle Jurisdicional da Convencionalidade das Leis. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Atlas, 2014. 946 p.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 11. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012, 1373 p.

PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional.12. ed. São Paulo: Saraiva, 2011. 673 p.

RAMOS, André Carvalho. Curso de Direitos Humanos.1 ed. São Paulo: SARAIVA, 2014. 656 p.

ROTHENBURG, Walter Claudius. Direitos Fundamentais. 1 ed. São Paulo: Editora Método, 2014. 282 p.

SÃO PAULO. Decreto n. 64.959, de 4 de maio de 2020. São Paulo, SP, 2020. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/2020/decreto-64959-04.05.2020.html Acesso em: 5 mai. 2020.

STF. Recurso Extraordinário: RE 80.004. SE. Relator: Xavier de Albuquerque. Data de Julgamento: 01/06/1977.

STF. Recurso Extraordinário: RE 466.343. SP. Relator: Cezar Peluso. Data de Julgamento: 03/12/2008.

TAVARES, André Ramos. Curso de Direito Constitucional. 10. ed. São Paulo: SaraivaJur, 2012. 1426 p.

TÁVORA, Nestor; ALENCAR, Rosimar Rodrigues. Curso de Direito Processual Penal. 14. ed. Salvador: JusPODIVM, 2019, 1888 p.

Publicado
2021-04-02
Como Citar
Piccino BragaR.; Bocchi CostaL. PRISÕES BRASILEIRAS SOB A ÓTICA DOS ATOS NORMATIVOS INTERNACIONAIS: O DEPOSITÁRIO INFIEL E O INFRATOR DO ISOLAMENTO SOCIAL EM TEMPOS DE PANDEMIA. REVISTA DA AGU, v. 20, n. 02, 2 abr. 2021.
Seção
Artigos