LITIGÂNCIA CLIMÁTICA: COMO SOLUCIONAR CONFLITOS POR MEIO DA JUSTIÇA CLIMÁTICA?

Palavras-chave: Mudança climática. Desastres. Direitos Humanos. Resolução de Conflitos. Justiça climática. Advocacia Pública. Litigância Climática.

Resumo

O cenário de mudanças climáticas que surge como consequência da era do Antropoceno, marcada pelo desequilíbrio da ação antrópica no meio ambiente, é um dos maiores desafios da humanidade. Desastres e eventos extremos estão ocorrendo com cada vez mais frequência e intensidade, e deixam marcas indeléveis na esfera da violação de direitos humanos. O Estado Brasileiro tem obrigação constitucional de proteger o meio ambiente ecologicamente equilibrado e promover a equidade social, e também assumiu compromissos internacionais no sentido de prevenir, mitigar e reparar os danos causados por mudanças climáticas. Uma estratégia que tem sido acionada internacionalmente para fazer cumprir essas obrigações é a litigância climática, um fenômeno crescente no Brasil. Considerando a função constitucional da Advocacia Pública de representação judicial e extrajudicial do Estado, quando ele ocupar o polo passivo da demanda, caberá à instituição se manifestar. Assim, esse artigo propõe uma análise do papel que a instituição pode desenvolver na resolução desses conflitos. Para tanto, foi realizada pesquisa bibliográfica sobre a temática que envolve mudanças climáticas, direito dos desastres, direitos humanos e justiça climática, bem como a análise de instrumentos normativos nacionais e internacionais. Como conclusão, o artigo propõe que a Advocacia Pública assuma sua cota de responsabilidade na resolução desses conflitos a partir da principiologia da justiça climática, de modo a considerar não só o interesse do ente federado representado, mas também a exercer o dever estatal de proteção ambiental e de redução dos riscos e das vulnerabilidades das pessoas envolvidas, respeitando e promovendo os direitos humanos.

Biografia do Autor

Diego Pereira, Advocacia-Geral da união

Doutorando em Direito Constitucional pela Universidade de Brasília/UNB. Pósgraduação em Direito Público pela Unyahna. Mestre em Direitos Humanos e Cidadania pela UnB. Procurador Federal (AGU) e Professor em nível de graduação.

Referências

BAHIA TEM MAIS DE 26 MIL DESABRIGADOS, 61,5 mil desalojados e duas pessoas estão desaparecidas por causa da chuva. G1 BA (online). 08 de janeiro de 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/2022/01/08/bahia-tem-mais-de-26-mil-desabrigados-615-mil-desalojados-e-duas-pessoas-estao-desaparecidas-por-causa-da-chuva.ghtml. Acesso em. 13 fev. 2022.

BORRÁS, Susana; VILLAVENCIO, Paola (Orgs). Justicia Climática: visiones constructivas desde el reconocimento de la desigualdad. Valencia: Editora Tirant lo blanch, 2021.

BRASIL. Decreto nº 10.593, de 24 de dezembro de 2020. Dispõe sobre a organização e o funcionamento do Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil e do Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil e sobre o Plano Nacional deProteção e Defesa Civil e o Sistema Nacional de Informações sobre Desastres.

BRASIL. Lei nº 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências.

CAPELLA, Vicente Bellver. Origen, evolución, caracteres y dimensiones de la justicia climática. In: BORRÁS, Susana; VILLAVENCIO, Paola (Orgs). Justicia Climática: visiones constructivas desde el reconocimento de la desigualdad. Valencia: Editora Tirant lo blanch, 2021, p. 33-81.

CASTELO, Carmen Velayos; ROMERO, Javier. Justicia climática para toda la comunidad biótica. In: BORRÁS, Susana; VILLAVENCIO, Paola (Orgs). Justicia Climática: visiones constructivas desde el reconocimento de la

desigualdad. Valencia: Editora Tirant lo blanch, 2021, p. 331-354.

CHAI, Cássius Guimaraes, BUSSINGER, Elda Coelho. SANTOS, Ricardo Goreti (Orgs.). Mediação e Direitos Humanos. São Luís: Procuradoria Geral de Justiça do Estado do Maranhão/Jornal da Justiça/Cultura, Direito e Sociedade (DGP/CNPq/UFMA), 2014.

CHOMSKY, Noam; POLLIN, Robert. Crise climática e o Green New Deal global: a economia política para salvar o planeta. Rio de Janeiro: Roça Nova, 2020.

CHUVAS DEIXAM 19 MORTOS, fazem rios transbordarem e alagam cidades no estado de São Paulo. G1 SP (online). São Paulo, 30 jan. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/01/30/chuvas-provocam-deslizamentos-de-terra-e-alagamentos-na-grande-sp-trespessoas-morrem-em-embu-das-artes-e equipes-de-resgate-usam-boteemfrancisco-morato.ghtml. Acesso em: 17 de fevereiro de 2022.

COLUMBIA UNIVERSITY. SABIN CENTER FOR CLIMATE CHANGE LAW. Climate Change Litigation Databases. Disponível em: http://climatecasechart.com/climate-change-litigation. Acesso em 16 de fevereiro de

CONECTAS DIREITOS HUMANOS. Guia de Litigância Climática. São Paulo: Conectas Direitos Humanos, 2019. Disponível em: https://www.conectas.org/wp-content/uploads/2019/11/guia-litigancia-climatica-1.pdf. Acesso em 05 fev. 2022.

CUNHA, Lavínia Cavalcanti Lima; ROSA, Fábio Silva Calheiros da. A negociação como método adequado para a solução de conflitos derivados de manifestações sociais. In: CHAI, Cássius Guimaraes, BUSSINGER, Elda

Coelho. SANTOS, Ricardo Goreti (Orgs.). Mediação e Direitos Humanos. São Luís: Procuradoria Geral de Justiça do Estado do Maranhão/Jornal da Justiça/Cultura, Direito e Sociedade (DGP/CNPq/UFMA), 2014, p. 168-191.

CUNHA, Ricarlos Machado Vitoriano. Fundamentos da mediação em direitos humanos. In: CHAI, Cássius Guimaraes, BUSSINGER, Elda Coelho. SANTOS, Ricardo Goreti (Orgs.). Mediação e Direitos Humanos. São Luís:

Procuradoria Geral de Justiça do Estado do Maranhão/Jornal da Justiça/ Cultura, Direito e Sociedade (DGP/CNPq/UFMA), 2014, p. 125-138.

DE CARVALHO, Délton Winter; DE SOUZA BARBOSA, Kelly. Litigância climática como estratégia jurisdicional ao aquecimento global antropogênico e mudanças climáticas. Revista de Direito Internacional, 2019, vol. 16, no 2.

DIDIER JÚNIOR., Fredie. Curso de direito processual civil: introdução ao direito processual civil, parte geral e processo de conhecimento. 19 ed. Salvador: Jus Podivm, 2017.

EM MINAS GERAIS, 145 municípios decretam situação de emergência devido às enchentes. GHZ (Online). 10 jan. 2022. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2022/01/em-minas-gerais-145-municipios-decretam-situacao-de-emergencia-devido-as-enchentescky9b0s12007s015p3pcjf62s.html. Acesso em 17 de fevereiro de 2022.

ESCRIVÃO FILHO, Antônio; SOUSA JUNIOR, José Geraldo de. Para um debate teórico-conceitual e político sobre os direitos humanos. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2016.

FACHIN, Luiz Edson. Agenda 2030, emergência climática e o papel das instituições públicas. Revista Brasileira de Políticas Públicas, v. 10, n. 3, 2020.

GATA SÁNCHEZ, Dionísio Fernández de. Sistema Jurídico-Administrativo de Protección del Medio Ambiente. Salamanca: Ratio Legis, 2021.

GIMÉNEZ, Teresa Vicente. Justicia ecológica em la era del antropoceno. Madrid: Editorial Trotta, 2016.

IWAMA, Yu Allan; BATISTELLA, Mateus; FERREIRA, Lúcia da Costa; ALVES,Diógenes; da Costa; FERREIRA, Leila. Risco, vulnerabilidade e adaptação às mudanças climáticas: uma abordagem interdisciplinar Ambiente & Sociedade, vol. XIX, núm. 2, abril-junio, 2016, pp. 95-118.

KLINK, Federico Aguilera. El fin de la tragédia de los comunes. In: GORDILLO, José Luis (Org.). La Protección de los bienes comunes de la humanidad: un desafío para la política y el derecho del siglo XXI. Madrid: Editorial Trotta, 2006.

LIMA, Letícia Maria Rêgo Teixeira. Mulheres e (in)justiça climática no antropoceno: uma abordagem interseccional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2021.

NASA – National Aeronautic and Space Administration. Global climate change: Vital signs of the planet. Disponível em https://climate.nasa.gov/. Acesso em 16 de fevereiro de 2022.

PEREIRA, Diego. Justiça Climática do Egito à Bahia. Folha de São Paulo (online). 12 jan 2022b. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2022/01/justica-climatica-do-egito-a-bahia.shtml Acesso em 17 de fevereiro de 2022.

PEREIRA, Diego. Orçamento e desastres ambientais no Brasil. JOTA Info (online), 12 jan 2022a. Disponível em https://www.jota.info/opiniao-eanalise/artigos/desastres-ambientais-orcamento-brasil-12012022 Acesso 13 de fevereiro de 2022.

PLANELLES, Manuel. Los litigios climáticos se disparan y ponen en el punto de mira a empresas y Gobiernos. El país (online). 26 jan. 2021. Disponível em: https://elpais.com/clima-y-medio-ambiente/2021-01-26/loslitigiosclimaticos-se-disparan-y-ponen-en-el-punto-de-mira-a-empresas-ygobiernos.html. Acesso em 21 de fevereiro de 2022.

ROBINSON, Mary (Org). Justiça Climática: esperança, resiliência e a luta por um futuro sustentável.1 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2021.

ROSALEZ, Rodolfo Godínez. La justicia climática: una visión ética y de desarrollo humano sostenible. In:BORRÁS, Susana; VILLAVENCIO, Paola (Orgs). Justicia Climática: visiones constructivas desde el reconocimento de la desigualdad. Valencia: Editora Tirant lo blanch, 2021, p. 87-103.

SATRIANO, Nicolás. Com 178 mortos, tragédia em Petrópolis é a maior já registrada na história do município. G1 Rio (Online). 20 fev. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2022/02/20/tragedia-empetropolis-maior-registrada-na-historia-o-municipio.ghtml. Acesso em 16 de fevereiro de 2022.

TURRA, Kari Karin Kelbert; ACERBI, Matheus De Abreu. O processo de efetivação dos direitos humanos e a prática da mediação. In: CHAI, Cássius Guimaraes, BUSSINGER, Elda Coelho. SANTOS, Ricardo Goreti (Orgs.).

Mediação e Direitos Humanos. São Luís: Procuradoria Geral de Justiça do Estado do Maranhão/Jornal da Justiça/Cultura, Direito e Sociedade (DGP/CNPq/UFMA), 2014, p. 253-264.

UNITED NATIONS. International Panel for Climate Change. Six Asessment Report. Climate Change 2021: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution. Cambridge: United Nations, 2021. Disponível em: https://

www.ipcc.ch/report/ar6/wg1/downloads/faqs/IPCC_AR6_WGI_FAQs.pdf. Acesso em 17 de fevereiro de 2022.

WEDY, Gabriel de Jesus Tedesco. Litígios Climáticos: de acordo com o Direito Brasileiro, Norte Americano e Alemão. Salvador: Editora JusPodivm, 2019.

ZUMBIZARRETA, Juan Hernández, GONZÁLEZ, Erika; RAMIRO, Pedro. Crisis ecológica, lex mercatoria y uso alternativo del derecho. In: BORRÁS, Susana; VILLAVENCIO, Paola (Orgs). Justicia Climática: visiones constructivas desde el reconocimento de la desigualdad. Valencia: Editora Tirant lo blanch, 2021, p. 493-514.

Publicado
2022-06-29
Como Citar
PereiraD. LITIGÂNCIA CLIMÁTICA: COMO SOLUCIONAR CONFLITOS POR MEIO DA JUSTIÇA CLIMÁTICA?. REVISTA DA AGU, v. 21, n. 03, 29 jun. 2022.
Seção
Dossiê | Meios adequados de solução de conflitos envolvendo entes públicos