ACESSO À JUSTIÇA: ATUAÇÃO COOPERATIVA EM UM CENÁRIO DE MÚLTIPLAS PORTAS

  • Gisele Luiza Soares Moura Fundação João Pinheiro
  • Simone Cristina Dufloth Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Acesso à justiça. Sistema multiportas. ADR (Solução Alternativa de Conflitos). Conciliação. Mediação. Direito administrativo concertado

Resumo

O objetivo deste artigo é o de analisar o acesso à justiça em um contexto mais amplo, ou seja, sob a ótica do uso de métodos alternativos de solução de conflitos, bem como a importância da atuação conjunta de diversos atores, como os entes públicos, na consolidação dos métodos autocompositivos, notadamente a conciliação e a mediação. O presente estudo almeja abordar o fenômeno por meio de uma linguagem clara de forma que o cidadão compreenda o exposto, uma vez que se trata de um tema recente e de interesse da sociedade haja vista a crise do Poder Judiciário. Para melhor compreensão da questão em estudo, foi utilizado primordialmente o tratamento descritivo, mediante revisão da literatura e pesquisa documental. Ademais, para entender o contexto da autocomposição no Brasil foram analisados os principais diplomas legais, os CEJUSCs existentes na Justiça estadual, bem como o ambiente de parcerias, em especial com entes públicos, no qual as atividades autocompositivas ocorrem. Na esfera da Administração Pública, foram retratadas as iniciativas já existentes de solução administrativa de conflitos.  As perspectivas são como peças de um quebra-cabeças que, juntas, permitem a visualização do cenário de forma mais ampla, mas a partir das peculiaridades individualmente observadas. Sob diferentes ângulos a atuação dos entes públicos viabiliza e torna mais concreta a ampliação do uso de métodos extrajudiciais de solução de controvérsias.

 

Biografia do Autor

Gisele Luiza Soares Moura, Fundação João Pinheiro

Mestranda em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro.

Simone Cristina Dufloth, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Ciências da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL. O uso da justiça e o litígio no Brasil. Coord Maria Tereza Sadek, 2015. Disponível. em: Acesso em 20 set. 2019.

AVRITZER, Leonardo; MARONA, Marjorie; GOMES, Lilian. Cartografia da Justiça no Brasil. Belo Horizonte: Editora Saraiva, 2014.

_________. Supremo em ação 2018. Brasília: CNJ, 2017.

_________. Justiça em números 2021. Brasília: CNJ, 2020.

CALVO SOLER, Raúl. Mapeo de conflictos: técnica para la exploración de los conflitos. Barcelona: Editorial Gedisa, 2014.

CAPPELLETTI, Mauro & GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução de Elen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1988.

CORRAR, Luiz J.; PAULO, Edilson; DIAS FILHO, José Maria (Coords). Análise multivariada: para cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas, 2011.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2013.

ECONOMIDES, Kim. Lendo as ondas do “Movimento de Acesso à Justiça”: epistemologia versus metodologia? In: PANDOLFI, Dulce et.al. (org.). Cidadania, Justiça e Violência. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999, p. 61-76.

GUERRA, Sérgio; SALINAS, Natasha Schmitt Caccia. Resolução eletrônica de conflitos em agências reguladoras. Rev. direito GV, São Paulo, v. 16, n. 1, e 1949, 2020.

Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas. Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS), 2010. Disponível em . Acesso em 20 set. 2019.

MARONA, M. “Defensorias Públicas”. In: AVRITZER et alii (Orgs). Dimensões políticas da justiça. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2013.

MEDEIROS. P. H. R.; GUIMARÃES, T. de A. O estágio do governo eletrônico no Brasil em relação ao contexto mundial. In: Revista do Serviço Público, ano 55, Brasília, 2004.

MENKEL-MEADOW, Carrie J. When Dispute Resolution Begets Disputes of its Own: Conflicts Among Dispute Professionals. UCLA Law Review, 1997.

MOURA, Gisele. O acesso à justiça e a celeridade processual: o alcance de uma justiça efetiva, justa e igualitária. In: PEREZ, Áurea (Org). 5 anos do Código de Processo Civil 2015. Belo Horizonte: TJMG, 2020.

NETO, Eurico Bitencourt. Concertação Administrativa Interorgânica: Direito Administrativo e Organização do Século XXI. São Paulo: Almedina, 2017.

SADEK, Maria Tereza Aina. Acesso à Justiça: um direito e seus obstáculos. Revista USP, n. 101, p. 55-66. São Paulo, 2014.

SADEK, Maria Tereza Aina. Poder Judiciário: perspectivas de reforma. Opin. Publica, Campinas, v. 10, n. 1, p. 01-62, maio 2004.

SANTOS, Boaventura de Souza. Para uma Revolução Democrática da Justiça. 3ª ed. São Paulo: Editora Cortez, 2011.

SANTOS, Boaventura de Souza. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. Porto: Edições

Afrontamento, 1999.

BRASIL. Constituição (1988) Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado, 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em 20 set. 2019.

_________. Resolução 125 do CNJ, de 29 de novembro de 2010. Dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de tratamento adequado dos conflitos de interesses no âmbito do Poder Judiciário.

_________. Lei 13.105, de 16 de março de 2015. Institui o Código de Processo Civil. Diário Oficial da União: Brasília, 2015. Disponível em <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em 20 set. 2019.

_________. Lei 13.140, de 26 de junho de 2015. Dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública. Disponível em <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em 20 set. 2019.

_________. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário 253.855-0. Relatora: Min. Ellen Gracie, 04 jun. 2002

Publicado
2022-06-29
Como Citar
Soares MouraG. L.; Dufloth S. C. ACESSO À JUSTIÇA: ATUAÇÃO COOPERATIVA EM UM CENÁRIO DE MÚLTIPLAS PORTAS. REVISTA DA AGU, v. 21, n. 03, 29 jun. 2022.
Seção
Dossiê | Meios adequados de solução de conflitos envolvendo entes públicos