O REFERENCIAL DE IGUALDADE NO DIREITO ISLÂMICO

  • Daniela Cardoso Ganem AGU

Resumo

Para além da necessidade de compreensão acerca da “insegurança” apresentada ao Ocidente pelos países muçulmanos, há um desejo de investigar e conhecer o Islã e seu sistema político, jurídico e cultural, a fim de identificar traços de similaridade e/ou discutir as ideias divulgadas e difundidas para os demais países ditos democráticos e capitalistas. O costume de assumirmos os parâmetros e padrões socioeconômicos ocidentais, por vezes nos impede de estabelecer a comunicação necessária com o diferente. O Outro, aqui representado pelos países que são orientados pelo Direito Islâmico, precisa ser apreendido, apesar de   distante, estranho e ameaçador. No presente artigo, a discussão acerca do referencial de igualdade possibilita a investigação sobre as causas dos atos de violência presenciados em diversos países e a sua ligação com a democracia. Há, ainda, a crise política e econômica instaurada que, ao ultrapassar a fronteira brasileira, nos motiva a compreender o funcionamento dos países centrais do Ocidente e, principalmente, do Oriente Médio, lugar histórico de conflitos e constantes ameaças.

Biografia do Autor

Daniela Cardoso Ganem, AGU
Procuradora Federal lotada na Procuradoria do Estado da Bahia. Especialista em Direito Público pela Universidade de Brasília- UnB

Referências

AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Belo Horizonte: Autentica, 2013.

BAUMAN, Zygmunt; MAURO, Ezio. Babel: entre a incerteza e a esperança. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

BIELEFELDT, Heiner. Filosofia dos direitos humanos. São Leopoldo: Unisinos, 2000.

BIGNOTTO, Newton. O bem comum e a vontade geral. In NOVAES, Adauto (org.). Mutações. A experiência do pensamento. São Paulo: Edições SESC SP, 2010.

CARVELLI, Urbano. A democracia nos Estados Islâmicos: variáveis determinantes da compleição no limiar do século XXI. Revista de Informação Legislativa, Brasília a. 49, n. 194, abr./jun. 2012. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/496585/000952694.pdf?sequence=1>.

CUNHA, Antônio Geraldo. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon, 2014.

DEMO, Pedro. Éticas multiculturais: sobre convivência humana possível. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2005.

Tentando compreender. In FOTTORINO, Eric (org). Quem é o Estado Islâmico? Compreendendo o novo terrorismo.Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

MURICY, Kátia. Benjamin: Política e Paixão. In NOVAES, Adauto (org.). Os sentidos da Paixão. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Estado e Terror. In NOVAES, Adauto (org.). Ética. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

RANCIERE. Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2013.

TOCQUEVILLE, Alexis. A democracia na América: Leis e Costumes. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

WARAT, Luis Alberto. Introdução Geral ao Direito III. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris,1997.

ZIZEK, Slavoj. Bem vindo ao deserto do real. Tradução: Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

______. Vivendo os fins dos Tempos. São Paulo: Boitempo, 2012.

Publicado
2016-12-30
Seção
ARTIGOS