A JUDICIALIZACÃO DA POLÍTICA PATRIMONIAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

  • Thiago Serpa Erthal AGU

Resumo

O artigo analisa o fenômeno da judicialização das políticas públicas, em especial da política de proteção do patrimônio cultural nacional, há 80 anos afeta ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). A problemática consiste em verificar se essa intervenção do Poder Judiciário – especificamente da Justiça Federal do Rio de Janeiro – vem se dando dentro dos limites constitucionais para tanto ou se há indevida intervenção na atividade tipicamente administrativa. Para tanto, além de expor em breves linhas alguns preceitos teóricos básicos sobre tema, buscou-se – a partir de dados empíricos coletados no último ano – examinar a hipótese suscitada para confirmá-la ou refutá-la.

Biografia do Autor

Thiago Serpa Erthal, AGU

Membro da Advocacia-Geral da União (Procurador Federal, em exercício na Procuradoria Federal junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Rio de Janeiro). Mestre em Direito da Cidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Referências

ALCÂNTARA JÚNIOR, José Odval; SOUSA, Mônica Teresa Costa; PEREIRA,

Paulo Fernando Soares. Os autos que crescem e o patrimônio cultural que padece:

a cidade patrimônio e a judicialização. Revista de Direito da Cidade, Rio de Janeiro,

v. 8, n. 4, p. 1277-1309, 2016.

A?VILA, Humberto. Neoconstitucionalismo: entre a ciência do direito e o direito

da ciência. Revista Eletrônica de Direito do Estado (REDE), Salvador, Instituto

Brasileiro de Direito Público, n. 17, jan./mar. 2009. Disponível em: <http://www.

direitodoestado.com.br/rede.asp>. Acesso em: 16 jun.2017.

BARCELLOS, Ana Paula de. Constitucionalização das políticas públicas em

matéria de direitos fundamentais: o controle político-social e o controle jurídico

no espaço democrático. In: SARLET, Ingo Wolfgang; TIMM, Luciano Benetti.

Direitos Fundamentais orçamento e reserva do possível. Porto Alegre: Livraria do

Advogado, p. 111-147, 2008.

BARROSO, Luís Roberto. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade

democrática. Revista Direito do Estado, Salvador, v. 4, n. 13, p. 71-91, jan./mar. 2009.

BINENBOJM, Gustavo. A Nova Jurisdição Constitucional Brasileira. Rio de

Janeiro: Renovar, 2001.

FERNANDES, José Ricardo Oriá. Muito antes do SPHAN: a política de patrimônio

histórico no Brasil (1838-1937), 2010. Disponível em: <http://culturadigital.br/

politicaculturalcasaderuibarbosa/files/2010/09/18-JOS%C3%89-RICARDOORI%

C3%81-FERNANDES.1.pdf>. Acesso em: 30 jun.2017.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em Processo: trajetória da política

federal de preservação no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: UFRJ/MinC-IPHAN, 2005.

PAIXÃO, Leonardo André. A função política do Supremo Tribunal Federal. 2007.

p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo,

São Paulo, 2007.

PEREIRA, Paulo Fernando Soares. As pedras e os azulejos que se acertem com a

Justiça! A invenção da cidade patrimônio cultural da humanidade e a judicialização

da política patrimonial. Revista de Direito Urbanístico, Cidade e Alteridade, Belo

Horizonte, v. 1, n. 2, p. 240-260, jul./dez. 2015.

SOUZA NETO, Cláudio Pereira; SARMENTO, Daniel. Notas sobre jurisdição

constitucional e democracia: a questão da “última palavra” e alguns parâmetros de

autocontenção judicial. Revista Quaestio Iuris, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 119-61, 2013.

STRECK, Lenio Luiz. Entre o ativismo e a judicialização da política: a difícil

concretização do direito fundamental a uma decisão judicial constitucionalmente

adequada. Espaço Jurídico Journal of Law, Joaçaba, v. 17, n. 3, p. 721-32, set./dez. 2016.

Publicado
2017-09-30
Seção
ARTIGOS