A CORRUPÇÃO SISTÊMICA COMO GRAVE OFENSA AOS DIREITOS HUMANOS

  • André Gustavo Vasconcelos de Alcantara AGU
  • Murilo Strätz AGU

Resumo

O presente trabalho avalia o combate à corrupção enquanto importante instrumento na execução de políticas públicas voltadas à efetivação dos Direitos Humanos e da Cidadania. Em sequência, analisa como o fenômeno patológico espalhou-se mundo afora como um vírus, tendo em vista o movimento econômico da Globalização, e como os organismos internacionais se posicionaram a esse respeito. Abordase a tendência universal no sentido de que a corrupção seja vista não só como um problema de direitos humanos, mas também como uma potencial violação destes, ainda que isso se dê, por ora, mais em um plano simbólico do que propriamente efetivo do ponto de vista jurídico. Por fim, examina-se a possibilidade de se classificar a corrupção sistêmica como crime contra a humanidade.

Biografia do Autor

André Gustavo Vasconcelos de Alcantara, AGU

Advogado da União

Especialista em Direito Público pela UnB

Chefe da Assessoria Jurídica junto ao Serviço Florestal Brasileiro

Murilo Strätz, AGU

Advogado da União

Mestre em Direito pela UFRJ

Procuradoria-Regional da União – 2ª Região

Referências

ASSEMBLEIA-GERAL DA ONU. Itens 16.5. e 16.4 da Resolução 70/1:

“Transformando nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”,

de 25 de setembro de 2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/

agenda2030/>. Acesso em: 17 out. 2017.

BBC. Por que há uma guerra na Síria: 10 perguntas para entender o conflito.

BBC Brasil. Rio de Janeiro, 07 de abril de 2017. Disponível em: <http://www.

bbc.com/portuguese/internacional-37472074>. Acesso em: 17 out. 2017.

BOHARA, Alok K.; MITCHELL, Neil J.; NEPAL, Mani; RAHEEM, Nejem.

Human Rignts Violation, Corruption, and the Policy of Repression. The Policy

Studies Journal, Tucson-EUA, v. 36, n. 1, p. 1-18, mês. 2008.

CHADE, Jamil. ONU propõe tratar corrupção como crime contra a humanidade.

Artigo publicado em 01º/09/2017 no Estadão. Disponível em: <http://politica.

estadao.com.br/noticias/geral,orgao-da-onu-propoe-tratar-corrupcao-comocrimes-

contra-a-humanidade,70001961296>. Acesso em: 18 out. 2017.

GARMAEV, Yury P.; STEPANENKO, Diana A.; STEPANENKO, Roman A.

Judgments of the European Court of Human Rights as a Source of Recommendations

on Fight against Corruption: Prospects for Interdisciplinary Research. Canada:

Asian Social Science, v. 11, n. 9; p. 266-272, 2015.

GLYNN, Patrick; KOBRIN, Stephen J.; NAÍM, Moisés. A globalização da corrupção. In:

ELLIOTT, Kimberly Ann (Org.). A Corrupção e a Economia Global. Tradução de Marsel

Nascimento Gonçalves de Souza. Brasília: Universidade de Brasília, p. 1-353, 2002.

HAGE, Jorge; MAGRI, Caio. Aqui uma Proposta. Revista Veja, Editora Abril,

edição 2550, ano 50, n. 40, p. 54-55, 04 out. 2017.

HEMSLEY, Ralph. Human Rights & Corruption. States’ Human Rigths

Obligation to fight Corruption. Journal of Transnational Legal Issues, University

of Lucerne/Switzerland, v. 2, n. 1, p. 2-23, mês 2015.

IANNI, Octavio. Dilemas da integração regional. In: GRAN, Wyn; WILSON,

Graham K. (Org.). The Consequences of the Global Financial Crisis: The Rhetoric

of Reform and Regulation. Oxford: OUP, p. 133-136, 2012.

JOSEPH, Sara; KYRIAKAIS, Joanna. The United Nations and human rights.

In: JOSEPH, Sara; McBeth, Adam (Org.). Research Handbook on International

Human Rights Law. Northampton: Edward Elgar Publishing, Inc., p. 1-1335, 2010.

KOLTHOFF, Emile. Corruption and Human Rights in Police Work: One of a Kind?.

Corruption and Human Rights: Interdisciplinary Perspectives, Antwerp-Oxford,

p. 197-220 mês. 2010.

LABRÍN, José A. Burneo. Corrupción y Derecho internacional de los derechos

humanos. Lima/Peru: Revista Derecho PUCP 63, p. 333-347, 2009.

MAURO, Paolo. Why worry about corruption? IMF Economic Issues, Washington,

n. 6, p. 1-13, fev. 1997.

MORENO, Ana Carolina. Brasil cai em ranking mundial de educação em ciências,

leitura e matemática. G1. Rio de Janeiro, 06 de dezembro de 2016. Disponível

em: <https://g1.globo.com/educacao/noticia/brasil-cai-em-ranking-mundialde-

educacao-em-ciencias-leitura-e-matematica.ghtml>. Acesso em: 17 out. 2017.

NÓBREGA, Maílson da. Juros do BNDES: chegou a hora de dar fim à TJLP.

Veja. Rio de Janeiro, 17 de julho de 2017. Disponível em: <http://veja.abril.com.

br/blog/mailson-da-nobrega/juros-do-bndes-chegou-a-hora-de-dar-fim-atjlp/>.

Acesso em: 17 out. 2017.

PETERS, Anne. Corruption as a Violation of International Human Rigths. MPHIL

Research Paper Series, Heidelberg, n. 2016-18, p. 1-40, jul. 2016.

Pricewaterhouse Coopers . Identifying and reducing corruption in public

procurement in the EU: Development of a methodology to estimate the direct costs

of corruption and other elements for an EU-evaluation mechanism in the area

of anti-corruption. EU, p. 1-371, jun. 2013.

RAJAGOPAL, Balakrishnan. Corruption, Legitimacy and Human Rights: The

Dialectic of the Relationship. Connecticut Journal of International Law, Storrs-

EUA, v. 14, n. 2, p. 495-504, mês. 1999.

RAMOS, André de Carvalho. Processo internacional de direitos humanos. 5. ed.

São Paulo: Saraiva, 2016.

REDAÇÃ O ÉPOCA. O mundo enfrenta a maior crise humanitária desde 1945.

Época. Rio de Janeiro, 13 de março 2017. Disponível em: <http://epoca.globo.com/

mundo/noticia/2017/03/mundo-enfrenta-maior-crise-humanitaria-desde-1945.

html>. Acesso em: 17 out. 2017.

SCHWARTSMAN, Hélio. Democracia, Platão e Churchill. Artigo publicado na

Folha On Line em 28/09/2000. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/

folha/pensata/helioschwartsman/ult510u355777.shtml>. Acesso em: 18 out. 2017.

Weissbrodt, David. Roles and Responsibilities of Non-State Actors. In:

SHELTON, Dinah (Org.). The Oxford Handbook of International Human Rights.

Oxford: OUP, p. 1-14, 2013.

Publicado
2018-04-18
Seção
ARTIGOS