A FORMAC?A?O DO ESTADO NACIONAL BRASILEIRO E A LEGISLAC?A?O INDIGENISTA NO CEARA?

  • João Paulo Peixo da Costa

Resumo

O objetivo deste artigo e? analisar o contexto legal do peri?odo de formac?a?o do Estado nacional brasileiro, quando as diretrizes pombalinas continuaram extraoficialmente no Ceara? apo?s 1822. Sera? analisado o enquadramento dos i?ndios como cidada?os do impe?rio do Brasil, ao mesmo tempo em que se viram despossui?dos de diversos benefi?cios. Prioriza-se o conjunto legal produzido ao longo desse peri?odo – tanto ao ni?vel do legislativo cearense quando do impe?rio do Brasil – e sua relac?a?o com o acu?mulo de poder dos proprieta?rios rurais, que os possibilitou ter cada vez mais acesso a cargos poli?ticos locais e tendo como conseque?ncia a gradativa extinc?a?o de antigas garantias indi?genas.

Biografia do Autor

João Paulo Peixo da Costa

Doutor em Histo?ria Social pela UNICAMP com a tese “Na lei e na guerra: poli?ticas indi?genas e indigenistas no Ceara? (1798-1845)”. Professor do Instituto Federal do Piaui?, campus Uruc?ui?

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os índios na história do Brasil no século XIX: da invisibilidade ao protagonismo. Revista História Hoje, v. 1, n. 2, 2012.

AMOROSO, Marta Rosa. Mudança de hábito: catequese e educação para os índios nos aldeamentos capuchinhos, Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 13, n. 37, 1998.

ATA da sessão extraordinária e grande conselho provincial. Fortaleza, 27 de agosto de 1824. Apud. Confederação do Equador. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza: Tipografia Minerva, tomo XXV, 1911.

ATA do Conselho de Estado. Brasília: Senado Federal/Arquivo Nacional, 1973.

BARBOSA, Ivone Cordeiro. Cidadania em construção: a legislação provincial do Ceará. Apontamentos para uma história social do Estado brasileiro. In: OLIVEIRA, Almir Leal de. BARBOSA, Ivone Cordeiro (Org.). Leis provinciais: Estado e cidadania (1835-1861). Compilação das leis provinciais do Ceará – compreendendo os anos de 1835 a 1861 pelo Dr. José Liberato Barroso [Ed. Fac-similada]. Fortaleza: INESP, tomo I, 2009. p. 34.

BRASIL. Constituição Política do Império do Brasil. Elaborada por um Conselho de Estado e outorgada pelo Imperador D. Pedro I em 25 de março 1824. Disponível em: <http://planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Constituicao24.htm>. Acesso em: 20 de nov. de 2014.

BRASIL. Lei de 1o de outubro de 1828. Dá nova forma às câmaras municipais, marca suas atribuições e o processo para sua eleição, e dos juízes de paz. Disponível em: <http://planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LIM/LIM-1-10-1828.htm>. Acesso em: 7 fev. 2015.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2014.

COLEÇÃO de leis do império do Brasil de 1823. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1887, parte I.

COSTA, João Paulo Peixoto. Na lei e na guerra: políticas indígenas e indigenistas no Ceará (1798-1845). Tese (doutorado) – Universidade de Campinas, 2016.

CUNHA, Maria Manuela Carneiro Ligeti da. Prólogo. Legislação indigenista no século XIX: uma compilação: 1808-1889. São Paulo: Universidade de São Paulo: Comissão Pró-Índio de São Paulo, 1992.

______. Terra indígena: história da doutrina e da legislação. Os direitos do índio: ensaios e documentos. São Paulo: Brasiliense, 1987.

DIRETÓRIO que se deve observar nas povoações dos índios do Pará, e Maranhão, enquanto sua Majestade não mandar o contrário. Lisboa: Oficina de Miguel Rodrigues, 1758.

DOCUMENTOS sobre os nossos indígenas. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza: “Instituto do Ceará”, tomo LXXVII, 1963.

FELIX, Keile Socorro Leite. “Espíritos inflamados”: a construção do Estado nacional brasileiro e os projetos políticos no Ceará (1817-1840). Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Ceará, 2010.

GARRIGA, Carlos; SLEMIAN, Andreia. “Em trajes brasileiros”: justiça e constituição na América Ibérica (C. 1750-1850). Revista de História, n. 169, 201.

GÓMEZ, Julio Sánchez. Invisibles y olvidados: indios e independencia de Brasil. Studia Historica. Historia Contemporánea, n. 27, 2009. p. 275.

JANCSÓ, Istvan; PIMENTA, João Paulo Garrido. Peças de um mosaico, ou apontamentos para o estudo da emergência da identidade nacional brasileira. Revista História das Ideias, v. 21, 2000. p. 431-432.

KARASCH, Mary. Catequese e cativeiro: política indigenista em Goiás: 1780- 1889. In: CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras: Secretaria Municipal de Cultura: FAPESP: 1992.

LOPES, José Reinaldo de Lima. Iluminismo e jusnaturalismo no ideário dos juristas da primeira metade do século XIX. In: JANCSÓ, István (Org.). Brasil: formação do estado e da nação. São Paulo: Hucitec; Unijuí; Fapesp, 2003.

MACHADO, André Roberto de Arruda. O Conselho Geral da Província do Pará e a definição da política indigenista no império do Brasil (1829-1831). Almanack, n. 10, 2015.

MARINATO, Francieli Aparecida.: os botocudos, os militares e a colonização do Rio Doce (Espírito Santo, 1824-1845). Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Espírito Santo, 2007. p. 72-79.

MATTOS, Izabel Missagia de. “Civilização” e “revolta”: povos botocudos e indigenismo missionário na província de Minas. Tese (doutorado) – UNICAMP, 2002.

MAXWELL, Kenneth. Por que o Brasil foi diferente? O contexto da independência. In. MOTA, Carlos Guilherme (Org.). Viagem incompleta. A experiência brasileira. Formação: histórias. São Paulo: SENAC São Paulo, 2000. p. 181-182.

MONTEIRO, John Manuel. Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e do indigenismo. Tese (Concurso de Livre-docência), 2001.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Indianidade, territorialidade e cidadania no período pós-independência – Vila de Itaguaí, 1822-1836. Diálogos Latinoamerican aria Cardoso. Documentos sobre o índio brasileiro (1500-1822): 2a parte. Revista de Informação Legislativa, v. 8, n. 29. 1971. p. 306.

OLIVEIRA, Almir Leal de. A construção do Estado nacional no Ceará na primeira metade do século XIX: autonomias locais, consensos políticos e projetos nacionais. In: OLIVEIRA, Almir Leal de. BARBOSA, Ivone Cordeiro (Org.). Leis provinciais: Estado e cidadania (1835-1861). Compilação das leis provinciais do Ceará – compreendendo os anos de 1835 a 1861 pelo Dr. José Liberato Barroso [Ed. Fac-similada]. Fortaleza: INESP, tomo I, 2009.

PALTI, Elías. Entre a natureza e o artifício: a concepção de nação nos tempos da independência. Lua Nova, n. 81, 2010. p. 22.

PIMENTA, João Paulo Garrido. A independência do Brasil e o liberalismo português: um balanço da produção acadêmica. Revista de História Ibero-americana, v. 01, n. 01, 2008.

RIBEIRO, Gladys Sabina. O desejo de liberdade e a participação de homens livres pobres e “de cor” na independência do Brasil. In: Caderno Cedes. Campinas: UNICAMP, v. 22, n. 58, 2002.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Política indigenista no Brasil imperial. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (Org.). O Brasil imperial, volume I: 1808-1831. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SILVA, Isabelle Braz Peixoto da. O relatório provincial de 1863 e a expropriação das terras indígenas. In: João Pacheco de Oliveira. (Org.). Presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

SLEMIAN, Andréa. Seriam todos cidadãos? Impasses na construção da cidadania nos primórdios do constitucionalismo no Brasil (1823-1824). In: JANCSÓ, Istvan. Independência: história e historiografia. São Paulo: Hucitec, 2005.

SPOSITO, Fernanda. Nem cidadãos, nem brasileiros: indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012.

XAVIER, Maico Oliveira. Cabôcullos são os brancos: dinâmicas das relações sócio- culturais dos índios do termo da Vila Viçosa Real – século XIX. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, 2010.

XAVIER, Maico Oliveira. Extintos no discurso oficial, vivos no cenário social: os índios do Ceará no período do império do Brasil – trabalho, terras e identidades indígenas em questão. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Ceará, 2015.

Publicado
2019-03-26
Seção
ARTIGOS