APRESENTAÇÃO - POVOS INDÍGENAS: DO PROCESSO DE INVISIBILIDADE AO PROTAGONISMO NA ESFERA PÚBLICA CONSTITUCIONAL BRASILEIRA

  • Paulo Fernando Soares Pereira AGU - PF/MA
  • Chiara Michelle Ramos Moura da Silva AGU - PF/RR

Resumo

.

Referências

CUNHA, Manuela Carneiro da. Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

DE LA GARZA, María Teresa. Política de la memoria: una mirada sobre Occidente desde el margen. Barcelona/Ciudad de México: Anthropos Editorial/Universidad Iberoamericana, 2002.

DUSSEL, Enrique. 1492. O encobrimento do outro: a origem do “mito da modernidade”. Tradução de Jaime A. Clasen. Petrópolis: Vozes, 1993.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Tradução de José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

HANKE, Lewis. El prejuicio racial en nuevo mundo: Aristóteles y los indios de hispanoamérica. Traducido por Marina Orellana. Santiago do Chile: Editorial Universitária, 1958.

______. La humanidad es una: estudio acerca de la querela que sobre la capacidad intelectual y religiosa de los indígenas americanos sostutivieron en 1550 Bartolomé de las Casas y Juan Ginés. Traducido por Jorge Avendano-Inestrillas y Margarita Sepúlveda de Baranda. 2. ed. Ciudad de México: Fondo de Cultura Econômica, 1985.

NEVES, Marcelo. A constitucionalização simbólica. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

OLIVEIRA, João Pacheco de; SANTOS, Rita de Cássia Melo. Descolonizando a ilusão museal – etnografia de uma proposta expositiva. In: LIMA FILHO, Manuel; ABREU, Regina; ATHIAS, Renato (Orgs.). Museus e atores sociais: perspectivas antropológicas. Recife: UFPE/ABA, 2016, p. 17-55.

PEREIRA, Paulo Fernando Soares; SHIRAISHI NETO, Joaquim. Um pouco além dos territórios: o direito fundamental dos povos indígenas a uma educação diferenciada. Revista Jurídica da Presidência, v. 18, 2017, p. 603-632.

PEREIRA, Paulo Fernando Soares; SANTANA, Ana Claudia. Poderes, Direito e Dominação: a tomada de consciência e a inclusão de outros sujeitos a partir de questões raciais. Teoria Jurídica Contemporânea, v. 2, 2017, p. 56-93.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

ROULAND, Nobert (org.). Direito das minorias e dos povos autóctones. Tradução de Ane Lize Spaltemberg. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2004.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitanismo multicultural. Introduça?o: para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. Rio de Janeiro: Civilizaça?o Brasileira, 2003.

SEGATO, Rita Laura. Que cada povo teça os fios da sua história: o pluralismo jurídico em diálogo didático com legisladores. Direito.UnB. Revista de Direito da Universidade de Brasília, v. 1, n. 01, jan./jun. 2014.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. Tradução de Lygia Araújo. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SHIRAISHI NETO, Joaquim. O direito das minorias: passagem do “invisível” real para o “visível” formal? 2004. 246 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná - UFPR, 2004.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

ZEA, Leopoldo. Discurso desde a marginalização e a barbárie. Tradução de Luís Gonzalo Acosta Espejo e Maurício Delamaro. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

Publicado
2019-03-27
Seção
ARTIGOS